Economia

Recuperação econômica tende a ser mais rápida do que a esperada, diz governo

Fonte - Valor Investe
15/07/2020 16:45
290

O documento do o Ministério da Economia destaca que as políticas de proteção social têm sido fundamentais para a resiliência da atividade

A recuperação econômica dos efeitos da pandemia tende a ser mais rápida do que o esperado em maio, informa o Ministério da Economia no Boletim MacroFiscal divulgado nesta quarta-feira.

Medidas adotadas pelo governo ajudaram as empresas a reduzir custos fixos, postergaram o pagamento de alguns impostos e eliminaram outros. Contratos de trabalho foram flexibilizados e o crédito, barateado.

“Tais medidas poderão salvar diversas empresas da falência, reduzindo o impacto sobre a atividade e o emprego no curto, médio e longo prazos”, afirma o documento. “Dentre as economias emergentes, o Brasil foi um dos que atuou mais fortemente para preservar a economia.”

O resultado dessas medidas é que a economia tem mostrado sinais de recuperação. “Enquanto abril foi o mês de queda mais pronunciada, os meses seguintes já apresentaram recuperação, indicando que a velocidade de retomada tende a ser maior que a prevista anteriormente”, diz o boletim.

O documento destaca que as políticas de proteção social têm sido fundamentais para a resiliência da economia. “Mesmo diante da perda substancial de empregos e redução de salários, as políticas adotadas elevaram a massa salarial ampliada no período, o que, além de proteger os mais vulneráveis, tem sido importante para garantir demanda a diversas firmas e setores durante esse período, minimizando o risco de falência.”

As medidas contiveram o aprofundamento da crise, segundo a Secretaria de Política Econômica (SPE). Por isso, a estimativa de variação do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano foi mantida em –4,70%.

O Auxílio Emergencial, o BEm e os saques emergenciais do FGTS têm levado setores da economia a se adaptar e sobreviver no período.

“Porém deve-se destacar que tais políticas são um escudo de proteção à população e às empresas para esse período, mas não são um estímulo sustentável no longo prazo, e, mais que isso, não são capazes de ampliar a capacidade produtiva da economia, sendo portanto temporárias e com efeitos importantes de imediato, mas não seriam eficazes de forma permanente”, alerta.

“Consequentemente, novos desenhos de políticas de proteção social e estímulo ao emprego estão sendo desenhadas pelo Governo Federal para o período pós isolamento, que se concentram na evolução permanente da capacidade produtiva sem impor quaisquer custos fiscais adicionais.”

Cadastro Login
Acesse com sua rede social
ou
Esqueceu sua senha?
Cadastro Login
Acesse com sua rede social
ou
Um e-mail de confirmação chegará em sua caixa de entrada
Cadastrar Login
Cadastrar