Empreendedorismo

Burocracia trava crescimento de pequenas empresas inovadoras

Fonte - Pequenas Empresas & Grandes Negócios
10/05/17 14:00
210

Estudo mostra que setor poderia dar salto no emprego, mas até chuva atrapalha

No Brasil, empreender fica ainda mais difícil quando chove. Os sócios do Voopter, site que compara passagens aéreas, aprenderam isso da pior maneira. Em 2013, quando a companhia tentava obter o CNPJ, uma enchente alagou a sede da Junta Comercial do Estado do Rio (Jecerja), no Centro.

A papelada da startup acabou destruída pela inundação, e o cadastro demorou sete meses para ficar pronto.

“Imagine o que é alugar escritório e contratar gente e não poder operar porque não tem CNPJ... Por mais que a gente tenha tido má sorte, é inacreditável que isso aconteça no século XXI” disse Pettersom Paiva, de 41 anos, que espera atingir faturamento de R$ 5 milhões no fim do ano.

Os obstáculos nos quais a Voopter esbarrou são representativos de uma contradição brasileira: o País que tem a quarta maior taxa de empreendedorismo do mundo aparece na 123ª posição em um ranking de qualidade de ambiente de negócios. Segundo estudo inédito do Santander, essa condição é incongruente com uma economia que precisa desesperadamente gerar empregos e voltar a crescer.

O levantamento estima que um aumento de 50% na quantidade de pequenas e médias empresas em um período de cinco anos poderia gerar cinco milhões de postos de trabalho, entre diretos e indiretos, contribuindo para a redução da taxa de desemprego em 4,7 pontos percentuais.

Mais impactante, porém, seria concentrar esforços nas empresas de alto crescimento como a Voopter, as chamadas scale-ups: dobrar seu número, dos 31 mil atuais, geraria quatro milhões de empregos entre diretos e indiretos, calcula o economista-chefe do banco, Maurício Molan.

“O problema é que o Brasil ainda tem um empreendedorismo que não é inovador. O empreendedorismo sobe quando a população não acha onde trabalhar. Os empreendedores têm a percepção de que não estão criando produtos inovadores. Só que o mundo está mudando, ficando menos intensivo em capital. Existe uma oportunidade para que esse crescimento aconteça” afirmou Molan.

Segundo Molan, em 2014 (último dado disponível) havia 31,2 mil empresas de alto crescimento no Brasil, cerca de 1,3% do total de empresas que possuem ao menos um empregado assalariado. Apesar de poucas, tais empresas são muito mais relevantes na contribuição para o emprego total no País (12,7%) e para a massa de rendimentos (11%).

Para o economista, a agenda de reformas para promover esse empreendedorismo inovador passa pela redução da burocracia, simplificação das leis tributárias, redução da insegurança jurídica e melhoria da educação.

O governo diz estar concentrando esforços nisso. O ministério da Fazenda está colaborando com o Banco Mundial em um programa de reformas microeconômicas, segundo Mark Dutz, economista da instituição internacional.

“Estamos discutindo medidas específicas, como a redução do tempo para abertura e fechamento de empresas, a revisão da lei de recuperação judicial, a facilitação do comércio exterior e a simplificação tributária” contou.

De acordo com Dutz, o estudo “Doing Business” do Banco Mundial mostra forte correlação entre a posição no ranking e o desempenho das MPEs. Mas o Brasil figura mal nos rankings. Entre 190 países, ocupa a 123ª posição no “Doing Business”, atrás de México (47ª) e Ruanda (56ª).

O Sebrae Nacional está investindo R$ 200 milhões na universalização da nota fiscal eletrônica junto à Receita. Segundo Carlos Viana, do BNDES, o banco elevou de R$ 90 milhões para R$ 300 milhões o teto de faturamento da categoria média empresa, que tem acesso às melhores condições de crédito.

 

Em junho, o BNDES também vai lançar um site que permitirá à MPE solicitar acesso ao crédito diretamente ao banco. Há pouco, a BNDESPar lançou um fundo de crédito de até R$ 80 milhões em MPEs inovadoras.

“O Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) vem sendo implementado em ondas, e a ideia é que as obrigações acessórias de vários tributos nas esferas estadual e federal, dentro de uma só plataforma, leve pelo menos à diminuição no número de papel para apresentar ao fisco” contou Jaime Andrade, da PwC.

Cadastro Login
Acesse com sua rede social
ou
Esqueceu sua senha?
Cadastro Login
Acesse com sua rede social
ou
Um e-mail de confirmação chegará em sua caixa de entrada
Cadastrar Login
Cadastrar