Girl Power: as empreendedoras que se adaptaram à pandemia

Cerca de 70% dos micro e pequenos negócios onlines são dirigidos por mulheres no país

Publicado por Acieg em 19 de abril de 2021

As mulheres enfrentam desafios constantes, principalmente quando ocupam espaços tradicionalmente masculinos. No ramo do empreendedorismo online isso não poderia ser diferente. Mas há uma mudança perceptível, é o que afirmam os dados da pesquisa do Sebrae feita no final de 2020.

De acordo com o relatório, cerca de 70% das empreendedoras usam o mundo digital como meio para comercializar e vender seus produtos e serviços. Os dados apontam que a grande maioria dos negócios online encabeçados por elas se encaixa como micro e pequenas empresas. 

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mulheres tornaram-se mais vulneráveis aos efeitos da pandemia da covid-19. Ao ficarem confinadas, elas passaram a ser suscetíveis a trabalharem mais e acumularem jornadas de trabalho que envolvam cuidados domésticos, demandas e filhos em casa.

Todavia, as nossas entrevistadas Júlia Galvão e Samanta Matos têm provado que os desafios impostos pela paralisação contínua e os fechamentos de atividades não essenciais não as impediram de procurarem novas formas de crescer e potencializar seus negócios no mundo digital.  

Dia a dia de uma empreendedora

Júlia Galvão e Samanta Matos, digital influencer e personal trainer, respectivamente, contam as dificuldades que é empreender de forma online e manter a rotina em dia. Júlia destaca que há momentos em que conciliar os estudos do curso de Relações Públicas e todas as demandas da sua loja online, Ambrô, tornam-se um desafio “quase impossivel”.  

Nas mesmas palavras que a digital influencer ilustrou a quantidade de demandas   esmagadoras a qual podem se tornar difíceis para conciliar com suas jornadas de vida, Samanta aponta a necessidade de ter um dia e um momento de reflexão para conseguir planejar a execução de suas aulas e atendimentos. 

“Separar um dia por semana para planejar e organizar a rotina é de suma importância, não é fácil conciliar tudo”, confidencia a personal trainer. Ela pontua que dividir tarefas domésticas com seu marido e filho ajudam a facilitar a execução de outros afazeres profissionais.   

Empreender de forma online

A empreendedora e influenciadora goiana, Júlia Galvão, é proprietária da loja online Ambrô, que ela fundou aos 19 anos de idade, no final de 2019. O conceito da marca criada pela goianiense é de projetar roupas que empoderam a mulher de todos os corpos. A bandeira levantada por ela é a da positividade corporal e o conforto o pilar de atendimento para as mulheres.  

Ela conta que após o primeiro mês do isolamento social, se viu em uma situação ameaçadora e decidiu que deveria fazer algo para contornar a situação de seu negócio. “Eu fiquei entre o período entre 16 de março a 16 de abril sem vender qualquer produto”, confidencia a influencer. 

Usando sua plataforma digital como influencer, em que Júlia domina há pelo menos sete anos, decidiu impulsionar seu negócio através de campanhas e estratégias que incentivassem a compra de produtos do pequeno negócio local. Pensando na localização de atendimento e em estratégias que iam consonância com o público, ela buscou entender as demandas e o que poderia ser feito para contemplar o nicho alvo.  

Em um período entre a retomada das atividades online, de abril a dezembro de 2020, as vendas da influencer cresceram em 1001%. Ela acredita que conseguiu chegar a essa marca após as campanhas e o curso que ela oferece aos seus seguidores em seu perfil no Instagram.

Júlia enxerga que as vendas online, com o atendimento personalizado e processos de otimização ofertadas pelo digital, puderam reduzir custos e aproximá-la do seu nicho. Dessa forma foi possível ofertar produtos atraentes  e com o preço custo, uma saída para mitigar os impactos do isolamento social.

Reinventar durante restrições

Indo na contramão do que a maioria de autônomos e empreendedores passou durante as restrições das atividades econômicas, a personal trainer Samanta Matos viu sua demanda aumentar. 

Samanta destaca que anteriormente à quarentena e à pandemia, ela já realizava atendimentos e consultorias de forma online como complemento à sua renda. No entanto, durante o período de isolamento e com as restrições para a utilização dos espaços públicos e o fechamento de locais de exercícios tradicionais, como academias de diversas modalidades, precisou ampliar o que era seu complemento de renda.

Decidida a manter sua renda e potencializar seu trabalho, ela abraçou as redes sociais e o atendimento personalizado online. Samanta desenvolveu um aplicativo (app) em que hospeda vídeos e exercícios personalizados para seus clientes. Para isso, criou treinos que possam ser feitos em casa ou em espaços domésticos.

Outro fator destacado pela personal trainer, que corroborou para o crescimento, foi o boom na procura por um estilo de vida mais saudável, impulsionada pelo desejo de responder melhor a uma possível contaminação da covid-19. 

A Mulher Empoderada

Samanta e Júlia foram unânimes quando questionadas sobre a dificuldades impostas pela covid-19. Ambas destacam que precisaram não apenas estudar o universo digital para empreender, como também criar um planejamento e estratégias de médio a longo prazo para conseguirem ter resultados palpáveis e se manterem no mercado. 

Mas há algo em comum entre os dois projetos, o público focal dessas iniciativas são mulheres. O conceito base da marca da influencer goiana, Júlia Galvão, é desenvolver peças de roupas para todas as mulheres e a diversidade corporal que elas apresentam. 

Como o foco de Samanta Matos é atender mulheres que são trabalhadoras e donas de casas, ela entende que com o acúmulo de funções e transposição do ambiente de trabalho para o lar, como o home office, as sobrecarregam. Desta forma, ela desenvolveu ideias para este grupo, com exercícios e treinos que atendam a essa nova realidade. 

Cursos voltados para empreendedorismo feminino

Cursos onlines tem recebido alta procura durantes as restrições causadas pela pandemia da covid-19, e a temática de empreendedorismo com ênfase no online não poderia ser diferente.

A Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM) oferece cursos a mulheres na área de empreendedorismo. O curso é um parceria com a Secretaria Municipal de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sictec), serão ofertadas 35 vagas, para as interessadas em se inscrever, deverão entrar contato com SMPM via  WhatsApp: 99285-7211.

O programa Ganha-Ganha lançou um curso online e gratuito para apoiar mulheres da América Latina e Caribe em seu empreendedorismo. O projeto é fruto da parceria entre a ONU Mulheres, a Rede Mulher Empreendedora (RME) e uma cooperação com a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a União Europeia (UE). Denominada “Digitalize Seu Negócio”, a iniciativa objetiva alcançar 100 negócios fundados por brasileiras.

O curso pretende ajudar mulheres a estruturarem seus negócios de forma digital e online transformando produtos e serviços em plataformas digitais de e-commerce e marketplace. Também visa potencializar a visibilidade e atendimento via rede sociais, usar processos integrados para operações online e disponibilizar meios de pagamentos seguros pela internet.