Prefeitura de Goiânia anuncia novo decreto que passa a valer nesta quarta-feira

O presidente da Acieg, Rubens Fileti, participou do encontro em que medidas de escalonamento e horários planejados serão adotados

Publicado por Acieg em 13 de abril de 2021

O presidente da Acieg, Rubens Fileti, participou na tarde desta terça-feira (13/04) de uma reunião com o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), para discutir o sistema de escalonamento que será adotado pelo município a partir da próxima quarta-feira (14/04).

Entre as medidas que serão adotadas está o escalonamento de abertura de comércios por região juntamente com os horários determinados para cada setor da economia goianiense. Atividades não essenciais deverão funcionar de segunda a sexta-feira com horários determinados para evitar aglomeração. 

Segundo informações da Prefeitura de Goiânia, a decisão de adotar novas medidas de flexibilização de horários de atividades não essenciais é justificada pela progressiva diminuição de ocupação de leitos em redes hospitalares do município.

Cerca de 84% das vagas de UTIs estão ocupadas neste momento, enquanto 81% dos leitos de enfermaria destinados ao atendimento estão sendo utilizados até o fechamento desta matéria.

Novos Horários

Os comércios poderão funcionar entre às 10h e 16h, assim como shoppings, galerias e centros comerciais. Já o setor de serviços terá permissão para operar entre às 12h e 20h.

Salões de beleza e barbearias passarão a funcionar de 12h até às 21h. Academias e distribuidoras deverão operar das 06h às 22h. 

Igreja, restaurante e esportes

Reuniões religiosas poderão ser feitas com ocupação de 30% do espaço. O local deverá contar com medidor de temperatura e álcool em gel disponível para o público em geral.

Os empreendimentos voltados para o setor alimentício e para bebidas poderão funcionar entre 11h e 22h, com 50% de sua capacidade. Músicas ao vivo continuam vedadas.

Quadras esportivas e espaços semelhantes terão permissão para funcionar com número máximo de quatro esportistas por vez.  

Serviços de saúde e construção civil  

Os serviços de saúde não emergenciais, como consultas e procedimentos não emergenciais passarão a ter permissão para ser executados. Estes atendimentos deverão ser realizados com agendamento prévio e respeitando a ocupação máxima de 50%. 

Outra novidade é o retorno de obras civis não públicas que terão autorização para ser executadas. De acordo com o novo decreto, os empregadores deverão fornecer transporte próprio para os trabalhadores.