Procon Goiás constata variação de até 460% nos preços dos materiais escolares

Caixa de lápis de cor registra alta média anual de 41,38%

Publicado por Acieg em 07 de janeiro de 2022

Com a chegada do ano novo, uma coisa é certa: junto com ele vêm as despesas como IPVA, IPTU e para quem tem filhos na escola, a compra do material escolar.

O Procon Goiás divulgou na última segunda-feira (3), a pesquisa de preços que aponta variação de até 460%. O levantamento conta com 127 itens que fazem parte da lista de material escolar, pesquisados em 14 (quatorze) papelarias de Goiânia no período de 13 a 23 de dezembro de 2021.

Todos os produtos cujos preços são comparados, são considerados produtos idênticos, de mesma marca, modelo e tamanho. Ainda assim, as variações de preços são surpreendentes, o que reforça a necessidade de o consumidor pesquisar sempre.

Atenção aos abusos em itens da lista de material escolar

Com o retorno presencial às escolas, a lista de materiais será um pouco maior que a do ano passado. Por isso, avalie a possibilidade de reaproveitar alguns itens. Solicite junto à escola a relação dos itens que restaram do ano letivo anterior.

A pesquisa tem como foco levar informações e orientações aos consumidores na hora da compra, como dicas para economizar e evitar dor de cabeça futura, bem como saber avaliar se há ou não itens proibidos na lista.

O valor da mensalidade escolar é definido pela escola com base na planilha de custos, na qual já estão inclusas todas as despesas de custeio, ou seja, os materiais de uso coletivo. Desta forma, quando a escola inclui alguns desses itens de uso coletivo (como papel higiênico) que não serão utilizados no processo didático pedagógico, configura prática abusiva, pois onera excessivamente o consumidor.

Quando surgir dúvida sobre algum item, questione junto à escola pra qual finalidade será utilizado. Por exemplo, há casos em que uma pequena quantidade de copos descartáveis ou pequena quantidade de papel higiênico, seja utilizada para trabalhos de arte com colagem e pintura, e não necessariamente para uso pessoal coletivo.

Vale lembrar que a escola também não pode exigir marca, modelo ou determinar o local da compra do material escolar. Cabe aos pais adquirirem os produtos nos estabelecimentos de sua preferência.

Dicas para economizar  

Solicite junto à escola uma lista dos materiais que restaram do ano letivo anterior e avalie a possibilidade de reaproveitá-los como tesouras, caixa de lápis de cor, canetas, etc, antes de sair às compras.

Saiba que o consumidor pode, caso queira, adquirir somente os produtos que serão utilizados no primeiro semestre do ano letivo e, posteriormente, quando a demanda diminuir, poderá adquirir o restante do material.

Para acessar a planilha de preços, clique aqui

Para acessar o relatório da pesquisa, clique aqui

Fonte: Procon Goiás

Foto: Pexels/Reprodução